Carmésia

História do município de Carmésia

O município de Carmésia está situado na parte centro-nordeste do Estado e é de povoamento bastante remoto. Foi colonizado a partir do século XVIII, com a descoberta do ouro em Minas Gerais, a partir de uma expedição de bandeirantes vindos do Serro e com destino à região do Morro do Pilar, passando por Conceição do Mato João, assim como em todas as minas da região. O processo de desenvolvimento ficou bastante comprometido.

Assim como os demais povoamentos deste período, a região de Carmésia passou por um longo período de estagnação da sua economia e, conseqüentemente, do desenvolvimento em todos os seus seguimentos. Pertencia ao município de Conceição do Mato Dentro e em 1923 foi criado o distrito com o nome de Viamão do Carmo. Com a criação do município de Dom Joaquim, desmembrado do município de Conceição do Mato Dentro, passou a integrá-lo, pelo Decreto N° 148 de 17 de Dezembro de 1938, já com a denominação de Carmésia. Da Lei N° 2767, em 30 de Dezembro de 1962 e instalado em 1° de Marco de 1963.

A paisagem natural do município corresponde à paisagem dos antigos núcleos mineiros, em topografia acidentada, montanhas e vales, sendo que na sede observamos um destaque para a vista da Igreja Matriz, com sua alta torre, na parte central. O município não apresenta um conjunto arquitetônico colonial significativo, mas apenas algumas edificações antigas misturadas a outras mais novas.

Em 1972, o Estado doou parte do território de Carmésia para a Fundação Nacional do Índio, FUNAI, para abrigar índios expulsos de suas terras em Porto Seguro na Bahia. Esta terra pertencia ao Coronel Magalhães, e era a maior colônia agrícola da região. Por ocasião da sua morte, como não deixou herdeiros, a colônia foi doada ao estado, que a repassou para administração dos militares que a utilizou como campo de treinamento. É denominada “Terra Indígena Guarani” e nela atualmente moram famílias da etnia Pataxó.

Após descobrir as minas de Serro Frio, bandeirantes, sertanistas e garimpeiros seguiram em direção ao território onde hoje se encontra Conceição do Mato Dentro, da qual Carmésia, antiga Viamão do Carmo fazia parte. A antiga Viamão, rodeada por montanhas, terras férteis e rios, desenvolveu-se rapidamente e se tornou uma porta de entrada para o Vale do Rio Doce, possuindo uma das poucas estradas que comunicavam com a recente capital de Minas Gerais.
O distrito de Viamão foi criado em 1923, pertencendo ao Município de Conceição do Mato Dentro. Após a criação do município de Dom Joaquim em 17 de Dezembro de 1938, distrito de Viamão do Carmo passou a integrá-lo e recebeu o nome de Carmésia, em homenagem a Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade. O município de Carmésia foi criado em 30 de Dezembro de 1962 e instalado em 1° de Março de 1963.

Destaca-se como ponto positivo a existência de uma reserva indígena no município de Carmésia, fato que agrega valores culturais. A reserva indígena Guarani é um atrativo relevante, tanto no contexto natural quanto no contexto cultural, podendo ser mantido como o maior atrativo turístico. Será possível realizar o turismo de forma consciente e eficaz, resgatando a cultura indígena, revitalizando seu ambiente natural e promovendo sua divulgação de maneira sustentável. Estes cuidados devem ser tomados para não ocorrer a aculturação destas tribos e o resgate do ambiente natural. A tribo Guarani constitui o principal atrativo turístico da cidade Carmésia. Possui 3279 hectares onde vivem cerca de 280 indígenas da etnia Pataxó, distribuídos em três tribos.

 

BRASÃO/BANDEIRA DO MUNICÍPIO DE CARMÉSIA

BRASÃO/BANDEIRA DO MUNICÍPIO DE CARMÉSIA

 

..: Geografia :..

– Hidrografia: Rio do Peixe. Nasce do Município do Serro/MG e deságua no Rio Santo Antônio no Município de Ferros/MG.

– Córregos e Ribeirões que passam no Município: Ribeirão Guarani, Ribeirão São João, Ribeirão das Flores, Córrego Axupé, Córrego da Choradeira, Córrego Santana, Córrego Samora, Córrego da Olaria, Córrego da Prata, Córrego Liberato, Córrego Roncador, Córrego Palmital e Córrego Belmonte.

Carmésia pertence a Bacia Hidrográfica Bacia Rio Doce e a Subs-bacia do Rio Santo Antônio

..: Clima/Temperatura :..

Média anual: 20,8 C
Média máxima anual: 28,1 C
Média mínima anual: 14,9 C
Índice médio pluviométrico anual: 1521,3 mm

..: Topografia :..

Plano: 5 %
Ondulado: 25 %
Montanhoso: 70 %

..: Dados da cidade: :..

– Localização: Vale do Rio Doce
– Área: 259,32 Km2
– Altitude:
– Máxima: 1092 m. Local: Serra dos Monos
– Mínima: 663 m. Local: Rio do Peixe
– Ponto central da cidade: 551,04 m

..: Dados Rodoviários:..

Distâncias aproximadas aos principais centros (km):
Belo Horizonte: 208
Rio de Janeiro: 630
São Paulo: 775
Brasília: 900
Vitória: 625

Principais rodovias que servem ao município:
BR-381
BR-120
MG-434
MG-129

..: Turismo :..

– Área de Proteção Renascença: Área de Proteção Renascença, sentido a Conceição do Mato Dentro. Margem direita e esquerda do Rio do Peixe.

– Cachoeira Achupé: Fica no povoado de Goiabas, a 15 km da sede do município, seguindo a rodovia.

– Cachoeira Renascença: A Cachoeira Renascença fica localizada na área da APA Renascença. Pegando a estrada Carmésia/Morro do Pilar, após 4,5 km, virar à esquerda em uma estrada de terra antes da ponte sobre o Rio do Peixe. Localizada dentro da fazenda Bangú-Renascença, o proprietário é o Sr. Hélcio.

– Estrada Real: Trilha que era usada para carro de boi, para transporte de mercadorias da região para Santa Bárbara.

– Igreja Nossa Senhora do Carmo: Igreja Nossa Senhora do Carmo construída em 1890.

– Reserva Indígena Pataxó: Estrada sentido Carmésia/Ferros. Aproximadamente 7 km.

– Rio do Peixe: Situa-se no local denominado Renascença.

– Trilha Ecológica: Trilha ecológica à margem do Rio do Peixe, na Área de Proteção Renascença.

..: Eventos :..

– Reveillon – 1º de Janeiro;
– Carmefolia, o Carnaval de Carmésia – Sábado, Domingo, Segunda e Terceira de carnaval;
– Aniversário da Cidade em 1º de março;
– Festa da Semana Santa;
– Comemoração da Semana do Índio, na semana do dia 19 de abril.
– Festas Juninas durante todos os finais de semana do mês de junho;
– Festa da Padroeira Nossa Senhora do Carmo na semana do dia 16 de Julho;
– Festa das Águas, na Reserva Indígena, todo o dia 05 de outubro;
– Festa do Jojó Noel, na primeira quinzena do mês de dezembro;
– Comemoração do evento “Surpresa de Natal” promovido na segunda quinzena do mês de dezembro;